MENU

REGISTAR

X

É programador(a) artístico/a e gostaria de estar no DDD - Festival Dias da Dança?

Esta é uma área onde disponibilizamos todo o programa, informações úteis e mantemos o contacto mais próximo.

Junte-se ao DDD 2022!


ENTRAR

Se ainda não tem uma conta, clique aqui para aceder ao formulário de registo.

Outras Imagens em Serenatas Dançadas, de Soraya Portela
Qui

 

21

.

04


2022
Ensaios

PARTILHAR:

MAIS 

Ensaios
Image
© Tássia Araújo

Margarida Almeida

— Artista plástica —

Vera Lu

Um vestido branco. Um gelado. 

Um vestido cor-de-rosa. 

Um colar de pérolas.

 

Lara Luz

Uma toalha aos quadrados.

Luvas azuis até aos cotovelos.

Um copo de champanhe.

 

Tetê Souza

Uma peruca encontrada no armário da cozinha.

Cabelo longo, até à cintura.

 

Raimunda Flor do Campo

Sapatos. Verdes, vermelhos, azuis, amarelos. Cada par perfilado como flores lançadas à terra.

Um acordeão.

Purpurinas.

Um duche que se toma na rua, a roupa molhada e brilhante.

 

Em Serenatas Dançadas, assistimos ao retomar da posse dos corpos destas quatro mulheres. Como fazer deles matéria dúctil e serena, como encontrar neles o murmúrio de todos os nossos desejos mais secretos.

 

Estamos dentro das suas casas. Vemos a presença física dos seus corpos no espaço. Vemos as suas cozinhas, onde as panelas que pendem do teto refulgem à luz que entra pela janela. Vemos os quartos, as fotografias, os santos, as jarras com flores, os calendários de parede e a roupa a secar, no jardim. Conhecemos os seus espaços e conhecemos também as suas ânsias, as músicas que ouvem, aquilo que viveram e que resgatam agora, através do estremecimento do próprio corpo.

 

Como é belo reautorizar o corpo a movimentar-se da maneira que ele nos pede. 

Como é belo reautorizar a dança a habitar o corpo envelhecido, mas ágil, fértil e vigoroso.

 

A casa torna-se palco, o ambiente doméstico expande-se, abre-se em possibilidades infinitas, e as quatro mulheres metamorfoseiam-se também, embelezam-se, mascaram-se, brincam, experimentam, dançam, fruem a sua casa e fruem o seu corpo, que também é casa, uma casa aberta, que deixa a luz da manhã entrar. Estas mulheres testam os limites impostos para o seu corpo velho, que continua a florescer, num ato de loucura e transgressão, como as flores das roupas que secam no estendal. 

 

Serenatas Dançadas é um manifesto de liberdade e poder. Assistimos à dança destas mulheres sabendo que não é importante a nossa condição de espectador. Porque estas mulheres dançam sem espectador (ou, dito de outra forma, condensam nelas próprias o ato de fazer e o ato de testemunhar). Se de facto se trata de uma serenata, só pode ser uma serenata dirigida a elas mesmas, que movimentam os seus corpos em direção àquilo que pretendem e que desejam. É um trabalho sensual e é um trabalho político – fazer da mulher matéria do seu próprio trabalho, fazer da mulher um espaço ilimitado de experiências do mundo, corpo e dança.