Sáb
4
maio
15:00
Rivoli Pequeno Auditório - PORTO
ENTRADA LIVRE
ALICE RIPOLL, LIA RODRIGUES, LINN DA QUEBRADA, SÓNIA SOBRAL & NAYSE LOPEZ
MULHERES EM TE(N)SÃO (ENCONTRO)
Image
Hugo Dourado
Sáb
4
maio
15:00
Rivoli Pequeno Auditório - PORTO
ENTRADA LIVRE

newsletter

Este encontro pretende abrir espaço a uma conversa franca e partilhada com o público sobre a arte feita pelas mulheres como arma positiva e resistência. Pretende também aproximar o público do trabalho apresentado por cada interlocutora no Festival, percebendo em que contexto é desenvolvido, aprofundando ideias e impressões sobre a realidade cultural, política e social, entre o Brasil e Portugal.

ALICE RIPOLL fundou, em 2009, a Cia. REC que dirige e conta com os bailarinos Alan Ferreira, Leandro Coala, Liuz LA, Tony Hewerton e Rômulo Galvão. Com produção intensa, assume-se como um potente grupo de artistas da periferia do Rio de Janeiro, que elabora e recria a arte contemporânea. Também dirigida pela coreógrafa Alice Ripoll, a Cia. Suave teve início com a criação do espetáculo Suave, que uniu o funk à dança contemporânea. O grupo mostrou um resultado tão surpreendente que o espetáculo estreou no Festival Panorama e já circulou pela Europa ao longo de quatro anos consecutivos.


LIA RODRIGUES nasceu em 1956 em São Paulo, onde se formou em ballet clássico e estudou História na Universidade de São Paulo. Após ter participado no movimento de dança contemporânea em São Paulo, nos anos 70, integrou a Compagnie Maguy Marin (França) entre 1980 e 1982. De regresso ao Brasil fundou a Lia Rodrigues Companhia de Danças em 1990, no Rio de Janeiro e desde então a Companhia mantém-se em atividade durante todo o ano, com aulas, ensaios do repertório, trabalho de pesquisa e criação, apresentando-se no Brasil e internacionalmente. Em 1992 criou e dirigiu durante 14 anos o mais importante festival de dança do Rio de Janeiro, o Panorama.


LINN DA QUEBRADA é artista multimédia. Encontrou na música mais um espaço de luta pela quebra de paradigmas sexuais, de género e corpo. O primeiro single, Enviadescer, em 2016, causou burburinho pela sua letra direta e um videoclipe que colocava travestis e corpos efeminados em posição de destaque. Este seria o principal conceito transmitido por Linn ao longo das músicas divulgadas, como Talento e Bixa Preta. Em 2017 a artista lançou blasFêmea, a sua primeira experiência audiovisual, cujo guião e realização é da sua responsabilidade.

NAYSE LOPEZ é jornalista e curadora desde 1992. Realizou – como curadora, crítica de dança e jornalista – diversas mostras e conferências na área da dança, das artes performativas e da cooperação cultural. Entre os últimos projetos: a Conferência Internacional de Dança e Cooperação Cultural, realizada no Rio de Janeiro e São Paulo, em 2005. Desde 2001, é curadora convidada do Festival Panorama, tornando-se, em 2006, diretora geral e artística do Festival e de outros projetos da Associação Cultural Panorama. É também fundadora e editora do site especializado em dança www.idanca.net.


SÓNIA SOBRAL é curadora de dança do Centro Cultural de São Paulo e gestora cultural. Foi gerente de artes céncias do Instituto Itaú cultural, por 17 anos, onde desenvolveu projetos nacionais de mapeamento e fomento às áreas de dança e teatro. Em 2016, cria a performance Involuntários da Pátria (texto de Eduardo Viveiros de Castro) para a atriz piauiense Fernanda Silva. Participa do grupo de pesquisa e criação de ALTAMIRA 2042, projeto teatral a partir do testemunho do rio Xingu de Gabriela Carneiro da Cunha. Participa em todo Brasil de mesas, debates, comissões de seleção e grupos de pesquisa dramatúrgicas.


24 ABR — 12 mAI 2019

Porto

MatosinhoS

Gaia