Ter
8
maio
22:00
Armazém 22 — Gaia
5,00EUR
Kale Companhia de Dança
PARTAGER:
Image
José Caldeira
Ter
8
maio
22:00
Armazém 22 — Gaia
5,00EUR

newsletter

Três coreógrafos partilham as noções de grupo, de transparência e de viagem.

A Kale cria um espetáculo em formato triple-bill num verdadeiro encontro transfronteiriço de partilha de linguagens e processos de criação levado a cena no mesmo palco com os bailarinos da companhia. Gilles Baron, de França, apresenta “Endless”, um trabalho que retoma a noção primitiva de grupo. Paula Moreno, de Portugal, apresenta “À transparência se vê o verso", uma peça para três intérpretes que investiga as transparências que o real implica nas suas opacidades terrenas. Por fim, a coreógrafa espanhola Olatz de Andrés desenvolve em “Eu sou passageiro” um organismo composto por um conjunto de corpos e em viagem.

Gilles Baron tem formação clássica, se- guiu carreira como intérprete com coreógrafos como Pierre Doussaint, Serge Ricci, Rainer Behr, Guilherme Botelho, Rui Horta, Emmanuelle Vo-Dihn. Paralelamente desenvolveu as suas próprias criações coreográficas, obtendo vários prémios. Criou a sua companhia em 2004, plataforma onde se cruzam bailarinos, artistas circenses, cenógrafos, arquitetos.

Paula Moreno é coreógrafa, intérprete, professora, psicoterapeuta corporal, e autora dos projetos “Ama.Zonas” e “Movimento Biossintónico”. Licenciada em Dança pela Escola Superior de Dança de Lisboa, com for- mação em Psicoterapia Corporal, Massagem Biodinâmica e com pós-graduação em Psicopedagogia Percetiva. Desde 2000, tem desenvolvido projetos criativos independentes e para companhias de dança. Trabalhou com Mathilde Monnier, Charles Cré-Ange, Sílvia Real, Aldara Bizarro e Paulo Ribeiro. Leciona movimento contemporâneo desde 2004 no Instituto de Artes do Espetáculo, na ESMAE, no balleteatro, no Fórum Dança, na Companhia Instável e no Ginasiano Escola de Dança.

Olatz de Andrés, como coreógrafa, pretende criar espaços coreográficos singulares com o intuito de mover a imaginação do público. Na sua obra coreográfica explora seis questões: materialização de ideias com o corpo, trabalho de grupo em que o indivíduo é incorporado no coletivo, intérpretes com uma clara individualidade, atmosferas relacionadas com a ficção científica e o cinema, relação entre quietude e movimento e o não virtuosismo. Criou várias peças com apresentações em Espanha, França, Itália, Reino Unido e Alemanha amplamente premiadas.

Endless:
Coreografia Gilles Baron • Interpretação Ana Semeão, Dinis Santos, Joana Couto, Michael de Haan, Leonor Barbosa

À Transparência se Vê o Verso:
Coreografia Paula Moreno • Interpretação Ana Isabel Castro, Dinis Santos, Michael de Haan


Eu Sou Passageiro:
Coreografia Olatz de Andrés • Interpretação Ana Isabel Castro, Ana Semeão, Beatriz Valentim, Michael de Haan, Beatriz Baptista, Leonor Barbosa • Ensaiadora Sara Moreira

Desenho de Luz Joaquim Madaíl • Técnico João Abreu • Produção Kale Companhia de Dança • Produção Executiva Marca-d'água • Apoios Ginasiano Escola de Dança, SOGRAPE • Parceiros Festival DDD – Dias da Dança, Maladain Ballet Biarritz, SOGRAPE • No âmbito do projeto de cooperação coreográfica transfronteiriço Regards Croisés|Begirada, Gurutzatuak|Miradas Cruzadas • Duração aprox. 1h

24 ABR — 12 mAI 2019

Porto

MatosinhoS

Gaia