Sáb
5
maio
19:00
Auditório Teatro Campo Alegre — Porto
5,00EUR
P.E.D.R.A.
A PARTIR DE CLARA ANDERMATT
P.E.D.R.A

Estreia

Image
© Cristina Planas Leitão
Sáb
5
maio
19:00
Auditório Teatro Campo Alegre — Porto
5,00EUR

newsletter

O repertório de uma coreógrafa paradigmática é visitado por três grupos de adolescentes, dirigidos por três coreógrafos locais de três cidades.


“P.E.D.R.A.” é um projeto de dança contemporânea, realizado a partir de encontros pontuais durante quatro meses com jovens entre os 15 e os 18 anos, com ou sem experiência artística. Tem como ponto de partida o convite à participação de um coreógrafo de renome nacional que disponha de um repertório a ser descoberto por esse grupo. O processo é desenvolvido em si- multâneo no Porto, Lisboa e Viseu, num regime de cocriação entre os participantes e um coreógrafo local, com o acom- panhamento do coreógrafo convidado. Na sua primeira edição, o Porto é a cidade anfitriã deste projeto e Clara Andermatt a coreógrafa convidada para um exercício a partir da leitura, interpretação e fruição do seu repertório. O trabalho local com os adolescentes é desenvolvido por Cristina Planas Leitão, no Porto, Romulus Neagu, em Viseu e Amélia Bentes, em Lisboa.


Revisitar obras passadas faz-nos ir ao encontro de nós próprios, diretos às memórias, aos conceitos, aos estados que perduram e continuam a ressoar, e a outros que olhamos com distância e ternura porque pertencem a um lugar que entretanto se transformou. Neste projeto o fundamental é conseguir dar a conhecer aos coreógrafos e aos participantes envolvidos, as razões, os conceitos, a miríade de ingredientes de uma parcela do meu trabalho; consciente que a forma de passar essa informação ainda está em fase de descoberta... A peça escolhida como objeto de estudo chama-se “So Solo”, uma peça criada para ser dançada por mim. A tarefa não é fácil, porque são vários grupos, em espaços geográficos distintos e a carga horária de trabalho é reduzida. Mas é um exercício que me obriga a sintetizar, a encontrar o alicerce desta arquitetura, a identificar o que é essencial partilhar e fazer experienciar. Fazemos parte da edição zero deste projeto e sinto que é à medida que o vou vivenciando e sendo confrontada com as questões e problemáticas que surgem, que vou encontrando a melhor forma de o concretizar. Partilhar com os coreógrafos e com os jovens o meu universo e o meu pensamento criativo. Faço parte de uma engrenagem que vai rodando em torno de um eixo que sou eu, mas que se expande nos outros como matéria de exploração criativa. Estou lá e ao mesmo tempo não estou. Apareço e desapareço na expectativa de que no fim se descubra algo sobre a criação, sobre a história e sobre nós próprios.Clara Andermatt

Partindo dos desejos e questões deste grupo de curiosas adolescentes, debruçamo-nos sobre temas como a solidão, o amor, a obsessão, o corpo animal e visceral. Simultaneamente desconstruímos os próprios elementos cénicos, usando-os como motor de trabalho para este solo coletivo. É um exercício de criação, onde os participantes observam, questionam, agem e reagem através da dança.Cristina Planas Leitão

Encenar os conflitos interiores é uma característica do trabalho de Clara Andermatt. Deixar o corpo dizer é neste caso mergulhar na essência da personagem de “So Solo”, peça lançada como estímulo para este processo. Neste exercício, procuramos estados de alma desta criatura tão só. Juntos na mesma viagem, a do conflito, da inquietação, e também a do prazer e do encontro, numa constante procura de apaziguamento e equilíbrio.Amélia Bentes

Um território especificamente marcado por uma forte presença interpretativa, que combina a explosão do movimento interior, com os silêncios metafóricos dos textos de Tennessee Williams, onde a rebeldia da Joana D´Arc conquista o espaço cénico e contrasta com a resignação melancólica de um gato preto. Momentos e pedaços de uma intensa efervescência interior na procura de uma saída para um tempo futuro utilizando apenas uma antiga receita que ainda funciona, I love you... • Romulus Neagu


M/6

24 ABR — 12 mAI 2019

Porto

MatosinhoS

Gaia