MENU

SIGN IN

X

Are you an artistic programmer and would like to be at DDD - Festival Dias da Dança 2022? This is an area where we provide the entire programme, useful information and keep in touch. Join us!

LOG IN

If you don't have an account yet, click here to access the registration form.

CELUI QUI TOMBE
Wed

 

17

.

05


2017

Category

PARTILHAR:

MORE 

CATEGORY

CELUI QUI TOMBE

Diogo Sottomayor
— Transformador de sensações em gotas de tinta —

“Era cromada e preta a bicicleta,

trazia um laço largo no volante circulando

o Natal e rodas generosas

como parecia o mundo”[1]


Yoann Bourgeois propõe o desafio de desafiar a gravidade. Seis bailarinos tentam manter a ordem numa plataforma que roda, balança e se eleva. Plataforma que se torna o cenário principal e que pode representar o mundo e as respectivas transformações do sujeito que vive em sociedade. Plataforma que roda como o mundo, é flexível, e na qual todos tentam sobreviver às suas regras.

A semiótica desta instalação leva-nos a meditar sobre o nosso papel em sociedade nas vertentes do “eu” e do “eu com os outros“. Nesta perigosa dança de sobrevivência, a sincronia e o equilíbrio são rainhas e senhoras destes 65 minutos de instabilidade constante. Os bailarinos têm de aprender, e apreender com as sensações corporais, os seus pontos de equilíbrio, sacrificando a liberdade dos seus movimentos em prol do equilíbrio de todos.

“As leis são as condições sob as quais homens independentes e isolados se uniram em sociedade, cansados de viver em contínuo estado de guerra e de gozar de uma liberdade tornada inútil pela incerteza de ser conservada. Eles sacrificaram parte dela para gozar o restante com gozo e tranquilidade. A soma de todas as parcelas de liberdade sacrificadas ao bem de cada um constitui a soberania de uma nação, e o soberano é o seu legítimo depositário e administrador”[2]

A força e perícia dos movimentos são catarse para o nosso papel enquanto membros das nossas micro-relações sociais. Até onde vamos pelo outro? O que estamos dispostos a deixar? Quanto de mim estou disposto a dar em prol do bem comum?

Este espectáculo não é apenas um cruzamento do novo circo, da acrobacia e da dança contemporânea. Ele é reflexão profunda sobre o viver em sociedade, tema tão discutido nos dias que correm e que tão pouca concordância tem suscitado.

No final não podemos deixar de ser afectados pela gravidade. Quando eles tentam permanecer pendurados na plataforma – uns mais tempo do que outros –o resultado sempre o mesmo: acabam todos por cair. Mostrando assim, em corpo, naquele espaço, naquele tempo, que a força da individualidade apenas se fortalece em grupo. Sozinhos... Somos apenas corpos que caem.


Fotografia © José Caldeira


[1] Ana Luísa Amaral – What’s In a Name, no poema “Aprendizagens” (1-4).

[2] Cesare Beccaria – Dos delitos e das penas

Digital Product by BondHabits