MENU

SIGN IN

X

Are you an artistic programmer and would like to be at DDD - Festival Dias da Dança 2022? This is an area where we provide the entire programme, useful information and keep in touch. Join us!

LOG IN

If you don't have an account yet, click here to access the registration form.

Coleção Delirar a Anatomia
Sun

 

06

.

05


2018
Não é uma crítica

PARTILHAR:

MORE 

Não é uma crítica
Coleção Delirar a Anatomia

Hugo Monteiro
— Professor e investigador —

Delirar a Anatomia, de Ana Rita Teodoro, apresenta-se como “um conjunto de estudos febris” sobre o corpo, com o orifício como enfoque. Falamos de um tríptico, de uma homenagem, articulada ou segmentada, a três partes do corpo: ao joelho (1), ao intestino (2), à boca (3). Também esta nota se pode ler por segmentos, em fragmentos ou em articulação e também ela escolhe entregar-se à hesitação entre “febre” e “pesquisa”, entre formulação e vulnerabilidade. Entre…



1.

Reparem. O ponto de articulação entre dois elementos é importante. É aí que se decide a conjugação, ou a desproporção, a assimetria ou a coincidência. E reparem que esse ponto de conexão, esse ponto de confluência entre diferenças, tende a apagar-se e a invisibilizar-se em favor de um produto ou de um resultado. Ressalta o acordo ou desacordo, o encontro ou o desencontro, a coincidência ou o atropelo, silenciando-se o meio que permitiu qualquer destas soluções. Apaga-se o que está entre, o ponto de articulação, o justo ou injusto meio.


Como articular uma homenagem ao joelho? Como articular coreograficamente o joelho – o que há de orgânico num joelho – com o que o joelho simboliza, e conota, e convoca? Há uma função articulatória. A articulação é uma palavra-função: o joelho articula. Articula uma submissão ao poder. Legitima corporalmente uma oração, na genuflexão. Gere e propicia movimento, no vértice discreto entre uma tíbia e um fémur. Apenas esta pluralidade articulatória, este apagamento numa posição entre, permite a definição de joelho como “orifício”, no conjunto de orifícios homenageados na coleção de Ana Rita Teodoro. Porque, reparem, nunca o joelho está em palco. O vazio é o espaço da sua representação, porque o entre é o seu pontificado. Mas tudo o que vemos em palco é por ele que se articula.

2.

Algures, nos seus Cadernos de Guerra, Sartre refletia a partir de dois soldados que se insultavam com a frase “buraco de cu sem nádegas”… Seria o grande nada, um orifício apenas qualificado a partir de um limiar ausente: sem nádegas, predomina sem oposição o orifício. O segundo momento deste tríptico diz-se “sonho D’intestino” ou “um corpo que se e[s/n]tende a[n]os seus próprios dejetos”. Entre extensão e entendimento coreografa-se o movimento interior, oculto, a produção informe do informe na indústria do intestino, na sua grande produção de vazio. Sublinhemos o termo ‘Indústria’. Na sua ampla historicidade, a palavra greco-latina [In + Struere] conserva uma aceção de trabalho interior [In] que produz para o exterior [Struere]. Indústria é literalmente uma laboração íntima que se projeta para o exterior, de forma ritualizada e secreta, mas também decisiva, seletiva e serializada.

Homenagem ao intestino reclama, em palco, o labor oculto de um movimento, sempre socialmente proscrito por nunca ter tido nada de literal. A coreografia, nos seus insistentes movimentos de esmagamento, de dobra, de expulsão e de recoleção em momento algum se entrega a qualquer literalidade, precisamente por ocorrer nesse espaço vazio onde o trabalho interior de purga ou purificação se revela em toda a sua secreta visceralidade: toda exterior, toda interior, toda Indústria do corpo. E socialmente nada, sem cena, obs-cena.

3.

Finalmente, a boca. E, de novo, o entre como falso orifício: a língua entre solo e céu da boca, a língua como solo, a língua como anulação do vazio e como sua garantia. Ao mesmo tempo! E a boca, então, entre abertura e fechamento, entre produção e expulsão. A boca seria talvez o momento deste tríptico que mais daria que falar, precisamente por convocar abertamente o corpo todo, todo o corpo como boca na homenagem ao entre que é todo o corpo dançante. A boca reclama esse entre e é o limiar que o evidencia ou recolhe. Jean-Luc Nancy: “toda a boca é uma boca de sombra, e a boca da verdade abre-se ela também sobre esta sombra e como esta sombra”. A boca, a sua performatividade limiar, entrega-nos a esta mastigação de mão beijada.

Digital Product by BondHabits