MENU

SIGN IN

X

Are you an artistic programmer and would like to be at DDD - Festival Dias da Dança 2022? This is an area where we provide the entire programme, useful information and keep in touch. Join us!

LOG IN

If you don't have an account yet, click here to access the registration form.

Ensaio para uma cartografia: DIZER FAZER
Sun

 

06

.

05


2018
Não é uma crítica

PARTILHAR:

MORE 

Não é uma crítica
Ensaio para uma cartografia: DIZER FAZER

Raquel S.

— Dramaturga e Dramaturgista —

Há uma distância que afasta as palavras e as coisas.

Dizer uma coisa



não é



fazer a coisa, ser a coisa.

(A menos que digamos Eu prometo, Eu declaro – assim dizemos a coisa e fazemos a coisa.)

Muitas vezes ser intérprete de alguma coisa não é ser essa coisa.



Outras vezes – mais do que levar a cena – é estar aí, à distância de um braço, uma distância mais pequena do que a que vai da palavra braço ao braço em si, à frente dos olhos.

Às vezes não se diz cansaço, não se aponta para uma ideia de cansaço muito dentro da nossa cabeça, não se aponta para o significado de o ter já aguentado, de o aguentarmos ainda. Não se abre o fosso entre a palavra e a coisa.

Só a carne é que se cansa. E a moral. E é no tempo.

Já cá estamos há mais de duas horas.

Às vezes transformamos o nosso corpo no lugar do outro.

Não quebramos a quarta parede: podemos ser a quarta parede, uma parede de mulheres em marcha como o bosque do Macbeth, como uma sororidade a caminho. Uma parede, que é como uma película tão fina, que deixamos de saber se veio ter connosco ou se fomos nós que fomos ter com ela.

Nós é o nosso nome.

Também estamos nus por debaixo da roupa.







Digital Product by BondHabits