MENU

SIGN IN

X

Are you an artistic programmer and would like to be at DDD - Festival Dias da Dança 2022? This is an area where we provide the entire programme, useful information and keep in touch. Join us!

LOG IN

If you don't have an account yet, click here to access the registration form.

TUDO O QUE É SÓLIDO DISSOLVE-SE NO AR
Tue

 

02

.

05


2017

Category

PARTILHAR:

MORE 

CATEGORY

TUDO O QUE É SÓLIDO DISSOLVE-SE NO AR

Joana Ferrari

— licenciada em Relações Internacionais. Escreve ficção para se abstrair dos aborrecimentos da vida —

Não tendo experiência alguma em crítica — seja qual for o tipo de arte a avaliar — posso apenas contar o que os meus olhos viram ontem, no Teatro Municipal de Matosinhos. Cláudia Dias conta-nos, através de uma linha branca sobre um chão (ou tela) preto, uma história do que não foi e podia ter sido. Uma ou várias histórias (episódios) de destruição. A história do “não”. A história que não podemos compreender porque não nos aconteceu a nós e não a sentimos na pele. Diria que as personagens principais são Omar e “eu” — o público! A trama são as tragédias distantes que não nos são tão distantes assim e fazem parte de uma história mundial comum. É-nos passada uma mensagem forte que vai crescendo e fazendo mais sentido à medida que a ideia é desenvolvida e os desenhos se vão formando e sumindo do palco. A peça grita “mais tolerância e mais compreensão”, “mais solidariedade e mais amor”, “mais sensibilidade e mais atenção ao outro e a outras realidades”.

O movimento do corpo não me pareceu fundamental, sendo que associo este espetáculo a uma arte perfomativa, sem dúvida, mas não à dança em concreto. O fio branco é, talvez, uma metáfora para os meios de comunicação e a facilidade crescente da comunicação entre os distintos cantos (distantes) do globo e, simultaneamente, para a antagónica dificuldade de compreensão entre esses mesmos pontos — por questões de língua, linguagem, expressão, costumes e mentalidade — e tolerância pouca ou inexistente para histórias e pontos de vista opostos ou simplesmente diferentes dos nossos. A peça fala da história que vem lá detrás, do comunismo russo, por exemplo e vem até aos dias de hoje, com os refugiados que chegam, e os que não chegam — por falta de oportunidade, por acidente, pela morte — à Europa, neste ano de 2017 que, também ele, ficará para a história das gerações vindouras. Esquecemo-nos de que fazemos parte deste mundo e desta atualidade que constrói esta “história feia”: ignoramo-la porque a desconhecemos ou porque é mais fácil fechar os olhos.

A combinação dos desenhos brancos com a produção de sons criados no momento e reproduzidos depois, como os passos, as ondas do mar ou a trovoada, a par das legendas sobre a tela — primeiro laranja, depois azul escura — está muito bem conseguida e inteligível para qualquer público. É um espetáculo simples e forte, feito de materiais e detalhes simples e simbólicos, que atinge com facilidade os corações de quem o vê e sente, depois de alcançar uma mensagem que tem o efeito de lembre- te para tudo o que se passa à nossa volta e nos esquecemos de ver.

Digital Product by BondHabits